Síndrome do Ovário Remanescente

A Síndrome do Ovário Remanescente (SOR) é definida como a presença de tecido ovariano em paciente que teve ooforectomia prévia (remoção de um ou ambos ovários). 

Mulheres com malignidade em um ovário remanescente, normalmente, apresentam dor pélvica, que é frequentemente associada à endometriose e pode ser um sintoma precoce de câncer de ovário.

Alguns fatores cirúrgicos contribuem para a remoção incompleta do tecido ovariano no momento da ooforectomia e aumentam o risco de SOR. Podem ser:

 

> Adesões Pélvicas. Elas limitam a visualização do ovário e, também, podem fazer com que ele se grude aos tecidos circundantes;

> Variações anatômicas;

> Sangramento intraoperatório;

> Técnica cirúrgica deficiente. Pode incluir a falha em alcançar a exposição adequada, restaurar a anatomia adequada ou a escolha imprecisa do local da incisão usado para remover o ovário.

A maioria dos casos apresenta sintomas nos primeiros cinco anos após a ooforectomia, embora existam relatos de SOR em pacientes com vinte anos após o procedimento.

Fonte: uptodate